O que os livros, podem significar na sua vida?

14593550_962202330555645_2100251938_n

Mesmo que uma história não transforme sua vida, te faça refletir sobre as coisas mais banais da vida, ou te faça valorizar coisas que na qual, nunca havia percebido antes, ela pode ter feito sentido para alguém, mas ainda assim, você se lembra dela. Eu nunca consegui dizer que um livro, físico ou da internet, não me tornou uma pessoa melhor. As vezes, a história não é tão envolvente como Jogos Vorazes ou A Culpa é das estrelas. È só uma história. Assim, não tão parecida com a vida, mas por pouco muito próxima dela.

Eu gosto de pensar que vidas, podem virar histórias. Não seria algo surpreendentemente fascinante. Não é aquela que vai te fazer rir, ficar com medo ou com a adrenalina lá em cima. Vai te fazer refletir, ou sorrir, as vezes, quando perceber que aquilo parece muito com o que você vive. Você não vai estar na Europa ou EUA como muitos personagens. Mas vai estar com eles, quando eles fizerem coisas, que você imaginava ser a única que fazia.

È importante dizer que uma história, não precisa ser só, para te fazer esquecer da sua vida. Pode ser, para te fazer lembrar dela também. Não gosto de pensar que livros, são só aventuras. Como ir tomar um sorvete ou andar á cavalo. Não pode ser só te fazer bem, ou fazer te dar um alivio ou alegria imediata. Um livro de tá um alivio e uma alegria permanente. Não foi tão bom, mas também não consigo esquece-lo. Deve ter alertado algo em mim.

O que pode ser um livro para você? Te faz esquecer, ou te faz lembrar? Muitas vezes me faz esquecer, como á serie Hush, Hush, por exemplo. Outras, me fez refletir, ao ponto de nunca esquece-los, e ao extremo, vende-los ou troca-los. Há livros que mexeram com minha consciência de tal maneira, que até hoje, ao ler outro livro com os nomes dos mesmos personagens, eu me lembro. Me lembro dos lugares, e do ponto chave, o motivo por terem feito tanto estrago.

Não posso chamar de estrago. È claro que não. Posso chamar de tortura, talvez. Mas foi bom, foi bom saber que existem livros que podem te transformar. Podem fazer o que quiserem. O livro tem poder. 

linha

Leia também:
Ser feliz, é amar?
A insuficiente jornada
RESENHA: Muito mais que 5inco minutos de Kéfera Buchmann

 

Anúncios

RESENHA: Cartas de amor aos mortos de Ava Dellaira

cartas

Ler Cartas de amor para os mortos para mim, foi mais que uma leitura, foi uma transformação. Eu nunca estive tão perto da morte, serio, nun-ca es-ti-ve. Este livro, não conta só a trajetória da Laurel, a personagem que perdeu sua querida irmã, Amy, mas também conta tudo o que vem passando, a historia com seu namorado Sky, sua mãe que a abandonou e suas novas melhores amigas.

Laurel perdeu a sua irmã a muito pouco tempo, e ainda esta aprendendo a lidar com isso. Ela era sua maior ídola.  Achava-a perfeita e queria ser como ela, e este foi o maior erro de Laurel. Isto fazia, com o que ela quisesse ser do mesmo jeito, da forma que agia e se vestia de Amy. Sofre muito com isso. Seu namorado a Sky, ajuda ela a se recompor, mas também é muito difícil para ele ajuda-la. Mas ela consegue, sempre consegue.

IMG_5121[1]

O livro retrata muitos temas atuais, como assedio sexual, agressão a mulheres, drogas e homossexualidade. Além de todo a narrativa comovente e cativante, ainda está lá, temas que traz conteúdos diferenciados, tornando-a mais rica. Laurel sabe muito bem lidar com estas coisas, se colocando em posição perfeita, transmitindo uma bela mensagem aos leitores.

 Quem diria que misturar tudo isto, mais a morte, abandono de uma mãe e um romance, daria muito certo. Mais que isso, ficou ótimo. A linguagem é perfeita, aos destinários das cartas são perfeitos também, pessoas famosas, cantores, atores e mais. Descobri historias de pessoas que eu não conhecia, nas quais morreram drasticamente, e como Laurel consegue associar isto a vida, faz uma reflexão, e consegue tornar as coisas significativas. Se questiona o porque da morte delas, porque morreram de tal forma e porque não pensaram antes da coisa toda acontecer. A autora, consegue fazer uma percepção de tudo isso, que eu jamais vi antes.

De inicio, eu confesso que a obsessão da autora de falar tanto da morte de Amy, e como para Laurel isto afetava na sua vida, tornou para mim um pouco cansativo, e me dando um certo enjoo. Porem, com o decorrer da historia, entendi de fato o porque de tudo aquilo, e por incrível que pareça, as peças começam a se encaixar. Além disso, a tradução contém erros, na verdade encontrei vários, o que de certa forma, traz um pouco de desiquilíbrio. Porque quando você está totalmente focado na historia, e de repente, alguma coisa errada na leitura dá um “BAAAH”! E daí você pensa: será que é isto mesmo? E você percebe que sim, que esta errado mesmo, porque depois você encontra outros. Mas estas é uma das desvantagens de se ler um livro traduzido.

Outra coisa: VAI TER FILME! Uhuuul, segue a fonte: sobresagas.com

Autora: Ava Dellaira

Site: avadellaira.com

Onde comprar: SaraivaLivraria CulturaSubmarino

linha

Leia também as resenhas: Resenha: O Substituto de David Nicholls    Resenha: Extraordinário de R.J Palacio    Resenha: Cidade de papel, John Green

 

3 dicas para não se desesperar diante dos livros de vestibular

Olá, queridos!
Sabe que, uma das minhas piores dificuldades para passar no vestibular foi ler aqueles “malditos” livros para a prova. De certo ponto sim, são amaldiçoados. Mas até que, não foi tão ruim assim. Quer saber mesmo minha opinião? Acho que mudou minha vida. Mas para não quebrar o clima e não entregar todo o jogo.. Vamos as dicas!

1-Não se desespere – Antes mesmo de pegar um livro na mão, eu pensava “Sério mesmo? Tem que ler estas coisas?” Ler algum livro que não há vontade, é horrível. Ainda mais quando se quer ler outros que mais me interessava. E então o tempo passava, e eu sabia que precisava lê-los. Então esta é a primeira dica, não se desespere diante deles, nunca deixa para amanhã, como hoje. Leia logo! Não enrole!

2- Não tenha preconceito – São antigos, velhos e muito dificies! Esta é a impressão que os vestibulandos tem dos livros. È ate engraçado de pensar nisso agora, porque depois de eu ter lido os livros, a minha noção sobre eles mudou totalmente. Assim, me dei conta que eu tinha preconceito dos livros antigos, os clássicos da literatura brasileira. Descobri que não é bem assim. São livros muito além do que pensamos que são, tão bons quanto os atuais, que podem ser prazerosos igualmente.

3- Linguagem difícil? A maioria dos livros do vestibular tem linguagem robuscada, antiga e difícil. A primeira coisa é não desistir. Não feche o livro e se extresse com ele, porque você não entende nada. Se você sentir que está tendo esta dificuldade, baixe um aplicativo de Dicionário. Eu recomendo o Priberan, é ele quem me socorre muitas vezes quando preciso. Para facilitar, uso o áudio do celular para não precisar ficar digitando. É claro que você não precisa pesquisar todas as palavras que não conhece, pesquise aquelas que prejudicará o entendimento do livro.

Com eles, eu descobri que muitos deles são muito bons, conheci novos autores, perdi o medo dos livros clássicos e me sinto mais segura agora para ler livros mais complexos. Além do mais, se você não se interessa por eles e mesmo assim os acha um saco, comece por aquele que a sinopse te deixe curioso. Assim, mais coragem te dará para ler os outros.

Espero ter ajudado. Um beijo 😘

Meus novos livros na estante

Olá querido leitor,

Fiz uma lista bem básica dos livros novos que estão na minha estante ainda não lidos. Não ando comprando muitos livros ultimamente, por conta dos estudos, que vocês já sabem, mas frequentemente eu venho lendo um pouco cada dia, na medida do possível. Há um mês atrás as Livrarias Curitiba estava com promoção, pague 2 e leve 3, que infelizmente já terminou, mas que foi maravilhoso. Não eram todos os livros é claro, mas eu, dura como sempre, comprei apenas três (um saindo de graça) e no entanto valeu super a pena. O livro do bem, Cartas de amor aos mortos, e o After foi o que comprei nesta promoção. Na realidade, no dia era quase os que para mim valeram mais a pena. Eu estava muito ansiosa pelo novo livro da Ariane Freitaas com a Jessica Grecco, um livro interativo que eu ainda não tinha experimentado antes. Por serem lançamentos muito comentados na época, foi o que escolhi. Além disso, After foi um livro que fez muito sucesso no Wattpad, que agora não está mais disponível, por isso comprei, espero que eu goste.

A caixa de midis e O mistério de 2012 foram presentes do meu marido, que foi viajar para Curitiba e trouxe para mim, foram super baratinhos, acho que 9,99 e que aliás achei interessantes. Pretendo ler em breve. Portanto, estou lendo no momento A interpretação dos Sonhos, e que em breve haverá resenha aqui no blog, o que acredito, vai ser um livro que vou ter muito o que dizer e trabalhoso para resenhar. Pretendo cursar Psicologia neste ano, por isso, por uma recomendação de uma professora, eu adquiri este livro para ler. Muito, muito detalhista, científico, mas que estou amando, e vocês vão saber mais em breve, aguardem <3′

Logo mais abaixo eu coloquei as sinopses de cada livro, mais o link do Skoob, aonde vocês podem encontrar mais informações como onde comprar, sobre o autos, e entre outros. Espero que gostem.

O livro do bem (Ariane Freitas, Jéssica Grecco): Este é um livro diferente, porque é sobre alguém muito especial: você. É um espaço para você fazer coisas que vão colocar um sorriso no seu rosto e deixar sua vida mais alegre e feliz. São pequenas e grandes atitudes que vão lembrar você que tudo sempre pode ser melhor e mais divertido se a gente der uma chance, e que cada segundo da vida vale a pena até quando a gente tende a não a acreditar muito. Este é um livro sobre amor, felicidade e alegria de viver. Mas ele só vai acontecer completamente se você topar embarcar nessa loucura fazendo-o seu de verdade. Cada minuto que você dedicar a estas páginas farão com que este livro se torne mais completo e mais seu. Então vem! E fica aqui um convite: fotografe e publique tudo o que você fizer no seu Livro do Bem nas redes sociais com tag #livrodobem. Porque o que é do BEM merece ser compartilhado!

Cartas de amor aos mortos (Ava Dellaira): Tudo começa com uma tarefa para a escola: escrever uma carta para alguém que já morreu. Logo o caderno de Laurel está repleto de mensagens para Kurt Cobain, Janis Joplin, Amy Winehouse, Heath Ledger, Judy Garland, Elizabeth Bishop… apesar de ela jamais entregá-las à professora. Nessas cartas, ela analisa a história de cada uma dessas personalidades e tenta desvendar os mistérios que envolvem suas mortes. Ao mesmo tempo, conta sobre sua própria vida, como as amizades no novo colégio e seu primeiro amor: um garoto misterioso chamado Sky. Mas Laurel não pode escapar de seu passado. Só quando ela escrever a verdade sobre o que se passou com ela e com a irmã é que poderá aceitar o que aconteceu e perdoar May e a si mesma. E só quando enxergar a irmã como realmente era — encantadora e incrível, mas imperfeita como qualquer um — é que poderá seguir em frente e descobrir seu próprio caminho.

A interpretação dos sonhos (Freud): As investigações de Freud sobre a questão da motivação nas nossas vidas formam a base de muita da psicologia atual e este livro fornece-nos uma introdução inteligível das suas teorias acerca dos sonhos e do que eles nos podem dizer sobre as nossas vidas quando acordados. Cada capítulo têm vários sonhos (incluindo os de Freud) e análises detalhadas destes para demonstrar como somos mais afetados por pensamentos e preocupações do que o que gostamos de admitir. Não apenas é uma leitura interessante, como também é bastante acessível, o leitor não precisa de estar familiarizado com qualquer dos conceitos complicados de Freud de forma a compreender aquilo que ele está a escrever. O seu estilo é minucioso e provocador, mesmo que não concordes com o que ele escreve. É fácil criticar as suas teorias sem saber muito sobre elas, de forma que este livro fornece uma bem-vinda introdução.

A caixa de Midas (Mariah Mundi):  O jovem Mariah Mundi termina seus estudos. Sem saber para onde ir, decide morar no hotel Prince Regent, construído na encosta de um penhasco. Trabalha ajudando o mágico Bizmillah nos shows apresentados aos hóspedes.
Não demora muito tempo para que Mariah e sua amiga Sacha descubram que algo de muito macabro acontece ali, e tentam descobrir pistas que os levem a resolver enigmas e descobrir segredos. O hotel, acima do subsolo, oferece luxos de todo tipo, mas embaixo da terra, o sarcófago egípcio do mágico pode ser uma das chaves para que Mariah desvende o grande e decisivo enigma.

O Mistério de 2012 (Gregg Braden): O QUE VAI ACONTECER EM 2012? 21 de dezembro de 2012. O calendário maia previu que nesse dia poderá ocorrer o fim da Terra, segundo alguns. De acordo com outros estudos, no entanto, essa data enigmática marcará a transição para uma nova era sociopolítica da humanidade, um passo à frente na nossa evolução. Estamos mesmo chegando ao final dos tempos ou ao encerramento de um ciclo cósmico? Haverá um despertar espiritual da raça humana ou uma transformação física do planeta? Será 2012 o ano do nascimento de um mundo novo ou do Apocalipse?

After (Anna Todd): Tessa, de 18 anos, sai de casa, onde mora com a mãe, para ir para a faculdade. Até então sua vida se resumia a estudar e ir ao cinema com o namorado doce que conheceu ainda criança. No primeiro dia na faculdade, onde ela passa a dividir um quarto com uma amiga que adora festas, Tessa conhece Hardin, um jovem rude, tatuado e com piercings que implica com seu jeito de garota certinha. Logo, no entanto, os dois se envolvem e Tessa, que era virgem, vê sua sexualidade aflorar. Tessa logo descobre que Hardin possui um passado cheio de fantasmas e os dois começam um relacionamento intenso e turbulento. Depois dele, ela nunca mais será a mesma.

O que eu acho dos escritores jovens brasileiros

image

Não sei se é impressão minha, mais ultimamente ando vendo muitos livros de autores jovens na minha estante. Pode ser que já em algum tempo isso vem acontecendo, mais eu ainda não havia experimentado.

Comecei com a Bruna Vieira, que também tem o Blog Depois dos quinze. Eu li o primeiro livro “depois dos quinze” e depois o “de volta aos quinze”. Ela lançou outros, que ainda não li, mais pretendo ler sim, concerteza. Depois tem “marca da lua” da Flávia Duduch (resenha em breve) e entre outros, outros, outros…

Mas o que eu quero dizer em si,  que muitas muitas pessoas acham estes livros “clichés”, imaturos. Bom, o que eu posso dizer , que eu fico muito feliz que mais e mais jovens tem publicado livros. Porque concerteza era um sonho destas pessoas. Claro que são livros de iniciantes, é um inicio, e o importante  concerteza é começar.

Mais importante ainda deve ser  estes autores receberem diversas criticas para crescerem ainda mais. O primeiro livro concerteza vai ser o pior de todos, mais sem ele,  não tem um autor bom no futuro. Então, que seja cliche, que seja horrivel, que seja mal escrito. O importante, é  começar.

Todos sabemos que não é fácil ser um escritor brasileiro. Infelizmente aqui no nosso país a leitura não é tão apreciada quanto em outros países. Mas eu acredito, que está realidade pode mudar, e não aposte que um jovem escritor não pode ser tão bom quanto, um jovem escritor de um país fanático por leitura. Muitos acreditam nisso, mesmo que parece real quanto.

Todos os jovens brasileiros, não só estes mas também adultos, publiquem suas escritas, sem medo da rejeição.

O melhor conselho que posso oferecer é : se você tem um sonho, concerteza corra atrás dele.

Até a próxima.

Escrito por Franciele Miloch