Diário Fitnes#1 Porque decidi eliminar peso

loja-virtual-fitness

Como dizia um amigo, peso não se perde, se elimina, porque tudo o que se perde, acha. Pois é. Pode até fazer sentido. Durante toda minha vida, eu já perdi e ganhei peso.  E também, já fui magra e gorda, nunca deu pra entender direito. Porém, ultimamente ando lendo muitas discussões sobre amar a si mesma, autoconfiança, baixa/alta estima, saúde, perca de peso, vida ftines e etc. As pessoas estão falando tanto sobre disso, que até eu parei pra pensar.

Eu espero que toda esta onda Fitnes não ultrapasse os limites. Não que isso seja de fato algo ruim, é uma coisa muito boa falar sobre isso, sobre saúde, ser bonita e se sentir amada e se amar. Porém, isso mexe com a cabeça das pessoas, que de certa forma, a teoria é só uma, mas a psicologia das pessoas são totalmente diferentes.

Eu até havia aceitado meu corpo. Eu aceito meu corpo, para falar a verdade. No entanto, me incomoda. Não dá pra dizer: EU AMO MEU CORPO, NÃO LIGO PARA O QUE PENSAM, EU SOU MUITO CONFIANTE. Esta é a mensagem que escuto pelas redes sociais. Não acho que é verdade. Eu posso me amar, ser auto confiante, ser feliz com meu corpo, porém não fechar os olhos pro espelho e pensar: SIM, SOU PERFEITA.

Meus braços me incomodam, e não encontro roupas. Acho feio? Não. Mas me incomoda. Preciso correr para pegar um ônibus, preciso treinar meus cavalos, preciso me vestir melhor, quero fazer boa pose em uma foto.. não é sempre que dá. Para falar a verdade, quase nunca dá. Era bom. Eu me sentia satisfeita e feliz. No entanto, eu estava omitindo umas coisas. Eu omitia a realidade, e é sobre isso que vou falar agora.

A realidade, é que nunca irei poder vestir as roupas que eu quero. Adoro vestidos, mas não gosto de mostrar minhas pernas grossas. Adoro meu rosto, mas a papinha do pescoço deixa as fotos estranhas, gosto de uma roupa na loja, e não tem meu numero. Sei que um dia poderei ficar doente, sinto que ao correr, meu corpo é fraco e menos propicio a vencer em uma guerra. Estas são realidades, e mesmo que você não se importe com elas, elas existem. È como ignorar a chuva, mas de qualquer forma ela vai te molhar.

Foi por isso que eu comecei meu diário Fitnes. Eu odeio esse titulo, mas ele faz eu me sentir bem. Mesmo que eu tenha escrito um monte de asneira aí em cima, acho que agora posso dizer sobre minha trajetória. Já faz uma semana que estou nesta “vibe”. Para começar, estou fazendo Jump, em casa, e isto está me fazendo muito bem. Eu escolhi o jump porque não é chato. E as horas passam rápido. Toca musicas que eu gosto e que me dão adrenalina. Isso me fortalece e não me deixa desistir.

Esperem pelos próximos capítulos.

Tchau!

Anúncios

Resumo mensal de Fevereiro/2017: Trabalho novo, nova série, li o livro da Karol Pinheiro…

d45dc532a79118a14885d746ee75acd9
Olá.

Saiba que este resumo não é um resumo qualquer. O mês de fevereiro foi definitivamente o mês que iniciou, emoldurou, o que pretende ser o meu ano de 2017. Primeiramente, acho que a vitoria mais esperada deste ano, foi o trabalho novo. Após alguns meses em casa apenas estudando e cuidando da casa eu me dei a liberdade de dizer: Chega! Eu não desisti do vestibular, é obvio que não, e falaremos mais sobre isso depois, porém, o trabalho era necessário e isto me fortaleceu ainda mais. Eu precisava de algo ocupante e que me desse a garantia e a sensação necessária que eu desejava: o de fazer alguma coisa que me rendesse no exato momento do instante. Assim aconteceu.

Além disso, me dei conta que este ano irá ser mais um ano de estudos. Não passei no vestibular de novo, e isso definitivamente me aborrece demais e amolece minhas pernas. Mas não por isso, que eu desisto do sonho de entrar na universidade. Já coloquei em minhas metas de Março: voltar a estudar firme!

Sabe, é difícil quando em um único mês tantas coisas acontecem mas que parecem que já acontecem á tanto tempo! Foi um mês de muitas reflexões e esperanças também: a perca de peso, os novos exercícios diários, a alimentação nova, o sonho de um cavalo sendo concretizado aos poucos, as novas amizades a tona, ou seja, as coisas entrando nos eixos. È claro que alguns trilhos querem sair dos trilhos retos e perfeitos, mas sempre haverá, não precisa esperar que nunca haverá os problemas

Fico feliz que os problemas para mim, são como sujeiras no sapato, após muito uso sempre voltam a ficar sujos. Assim será sempre os problemas, desaparecem por um tempo, logo surgem de novo. E não seja por isso que todas as vezes que eles aparecem, que eu vou abaixar a cabeça e chorar. Apenas o contrário, vou levantar e seguir adiante.

Li:

Fiquei feliz em dizer que li o livro da Karol Pinheiro este mês, uma das Youtubers mais dignas de sucesso que conheço. Além do mais, não é um livro de Youtuber qualquer, ela é jornalista e escrita também antes mesmo de ter o canal, é um livro genial que se encaixa muito bem no seu perfil. Me identifiquei ainda mais com ela, e ainda fiquei mais feliz por isso.

Assisti:

Mesmo que os estudos ainda não me deixem sobrar muito tempo, este mês passei bastante tempo antes de dormir assistindo a série Preson Break. Graças, que está acabando. Mas se você é fã de histórias de suspense, drama e policial é uma ótima recomendação. Mais que isso, saiu a 7 temporada da minha serie favorita: Heartland. Estou tão animada! Estou assistindo aos poucos, para que dure ainda mais.

Expectativas:

Apenas três palavras: potros das éguas! Julho vai o mês mais especial do ano, quando os potros irão nascer! Ansiosa, ansiosa, ansiosa…

Aprendi:

Não existe tempos perfeitos, pessoas perfeitas, coisas perfeitas.. Eu esperei demais para perceber que eu não preciso estar sempre esperando que as coisas sejam do meu jeito, do jeito que eu gosto ou desejo. Não adianta pensar demais. Se maltratar demais. Só deixa as coisas rolarem, talvez elas perdem á graça e não te incomodem tanto. Ainda aprendo á pensar assim, espero o mesmo das outras pessoas ao meu redor.

Tchau!

 

 

“O Natal parece que foi ontem!”

ef1bc0eae64d8de4e340cdd86ccd2c0c

Olá.

“Já se passou fevereiro!”, “O Natal parece que foi ontem.” Escutei estas expressões e outras neste mês de fevereiro. Agora a frase é: “O mês de Março ja começou, logo, já é Dezembro.” Por diversas maneiras eu tentei entender tais expressões. Será que as pessoas andam tão corridas, que não percebem ou não fazem as contagem dos dias? Será que as pessoas estão tão distraídas com crianças, festas, trabalho, estudos, que nem sentem de fato, o tempo passando? Na real, passa rápido mesmo. E esta sensação de rapidez é porque passado, é passado, e quando ele passa, parece que não existiu. E isto me intriga: porque desvalorizar tanto o passado? O passado é parte de uma construção do que somos hoje.

Esta foi uma das confusões dos meus pensamentos deste mês. Por isso criei uma pequena meta para este ano, mas que, muito grandiosa. Valorizar cada minuto dos meus dias, observar mais as horas, o que eu fiz nelas, aproveitei o quanto eu precisava? O que eu poderia ter feito nestas horas, o que eu não fiz? O que eu perdi de grande na minha vida, que eu poderia ter feito naquela hora, literalmente? Para tornar isso real, decidi escrever todos os dias, sobre ele mesmo. Talvez aqui no blog, talvez em um pedaço de papel. Quero relatar todas as horas, para que eu possa ter a noção dos meus dias passando, sem desvalorizar o que eu aprendi, fiz de bom, e qual a produtividade daquele dia.

Eu sempre me questionei que a vida, pela menos esta que me encontro agora, é única. Nunca serei outra “Franciele” de  fato, eu mesma, com estes mesmos cabelos e olhos. Posso ser outra pessoa um dia, depois da morte, quem sabe. Mas esta, jamais. Pensei em diversas maneiras de aproveitar o máximo dos meus dias, e adquirir o máximo de desejos e realizações que eu poder, enquanto eu posso. Para que um dia eu adormeça, e as únicas palavras que estarão na minha cabeça será: “Estou realizada”. 

Obrigada por ler.

Até mais.

Resumo mensal dos últimos meses que sumi

Pode ser que meu Psicológico tenha certo detalhes que nem eu mesma compreenda. Direi apenas que meus últimos meses foram como andar de montanha russa, ora solto um grito de desespero, ora aquela sensação esquisita na barriga já basta. Foram apenas que, não passei no vestibular, não terminei de escrever meu livro como eu esperava, estou desempregada, e agora minha égua foi roubada. Tudo se resume entre muitas outras palavras, mas a primeira que vem em minha mente é: tudo mudou!

È incrível pensar que as vezes eu devesse só me dar um tempo, parar para pensar e refletir um pouco sobre o que tudo vem acontece. Foi um erro parar de escrever, sinto a diferença na pele, meus pensamentos ficam confusos e cada hora tenho uma opinião diferente. Como se minha vida não tivesse um rumo, eu não sei do que quero e do que pretendo, agora, porque para o futuro eu já sei de muita coisa.

Acontece que eu preciso resolver as coisas, arrumar um emprego, pagar um cursinho de que preciso, me preparar para o vestibular em julho novamente, aguardar tão ansiosamente pelo parto da minha égua, ou seja, colocar as coisas no eixo, porque até agora continuo sentada em uma mesa branca estudando pelo o que nem sei o que… Apenas sei que preciso ser alguma coisa, preciso ter o que dizer para as pessoas quando elas perguntam: o que você faz da vida?

Li:

Digamos que não houve muita leitura nos últimos, por motivos óbvios: muito estresse, dor de cabeça e desanimo. Tudo isso causa um desconforto muito grande em mim, o que não me deixa relaxar nem um pouco. Porem, por conta disso, tenho uma longa lista de desejados de livros para 2017, incluindo Clarice Lispector.

Curtindo:

Por incrivel que pareça, estou curtindo minha nova mania de arrumar as coisas. Quero arrumar tudo, minha estante, meus livros, minha cozinha, e muitas outras coisas. Isso me deixa contente, porque percebo que estou mudando, e para melhor.

Expectativa:

O parto da Guaíra em julho, com certeza é a minha maior expectativa de 2017! Além disso, tem o vestibular em julho novamente, o que me deixa muito ansiosa e nervosa também, porque eu sei que é uma responsabilidade e tanto. Também tem o meu livro, que quero começar em breve, um novo, porque perdi o que eu estava escrevendo, uma grande decepção e tristeza.

Feliz por:

Novas metas, novo ano, novas coisas. Começar a escrever um livro novo, fazer exercícios, dar um “epa” no blog, e principalmente, passar no vestibular. Tudo isso parece só metas, mas não é só, eu fico feliz quando coloco coisas no papel para que um dia vire realidade. Nem sempre foi assim.